Data/Hora: 20 Jun 2018

 
 


Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 66 mensagens ]  Ir para página Anterior  1, 2, 3, 4, 5
 Expressões idiomáticas portuguesas 
Autor Mensagem
Ouro
Avatar do Utilizador

Registado: 25 Ago 2015
Mensagens: 771
Localização: Em cima duma mulher com as pernas abertas
Positivos
105
Neutros
14
Negativos
17



TD's nos últs 90 dias: 2 - Podia postar mais TD's
Mensagem Expressões idiomáticas portuguesas
A quem não sabe foder, até os colhões estorvam;
Com a verdade me enganas;
Hás-de morrer como um grilo: preto e com os cornos espetados numa parede;
Abençoado pai que tem assim uma filha. Os colhões dele deviam estar num museu.

_________________
Que nunca te fiquem a doer... as partes do corpo com que gostas de foder!!!

22 Nov 2017
Perfil

 
 
Iniciado

Registado: 03 Fev 2014
Mensagens: 2


TD's nos últs 90 dias: 0 - Voyeur
Mensagem Re: Expressões idiomáticas portuguesas
Sente-se nele e calque.
Toma lá morangos.
Ataques de caspa nas unhas dos pés

Enviado do meu GT-I9505 através de Tapatalk

27 Nov 2017
Perfil
Iniciado

Registado: 03 Fev 2014
Mensagens: 2


TD's nos últs 90 dias: 0 - Voyeur
Mensagem Re: Expressões idiomáticas portuguesas
Sente-se nele e calque.
Toma lá morangos.
Ataques de caspa nas unhas dos pés.

Enviado do meu GT-I9505 através de Tapatalk

27 Nov 2017
Perfil
Iniciado

Registado: 29 Dez 2017
Mensagens: 49
Negativos
1



TD's nos últs 90 dias: 0 - Voyeur
Mensagem Re: Expressões idiomáticas portuguesas
Mais algumas, usadas pelo menos na minha terra:
À Lagardère
A pão de pedir
A ver passar os ciclistas
Abafar a palhinha
Abanar o capacete
Avantesma (abantesma)
Acertar-lhe o passo
Acordar com os pés de fora
Acordar de cu p'ró ar
Adianta um grosso
Andar em manobras
Armar ao pingarelho
Arrear na vertical
Bais às Antas?
Cheio de nove horas
Que traço! Ah, faneca!
Ainda a procissão vai no adro!
Isto está cá uma sarrabulhada!
Esse gajo pega de empurrão! ou atraca de popa!
Isto vai tudo para o maneta!
Quando nos secar o céu da boca vai tudo para o malagueiro!
Jesus, que pomada!
Não percebo a ponte de um chavelho!
Isso é de murrinhanha! (O significado está implícito na cena deliciosa que a seguir reproduzo de um jornal minhoto)
Afazeres profissionais levaram-me ontem a Viana do Castelo, no regresso tive de passar por Braga para me encontrar com dois colegas que tinham ido a Chaves, também em serviço, e vão ficar hoje pelo Porto, regressando terça a Lisboa. Ontem já eu tinha pedido à D. Eduarda do café que me arranjasse umas caras de bacalhau e umas pencas da terra para jantar com estes colegas e amigos. Como o dia se foi atrasando, eu fui informando a senhora do café desse mesmo atraso e pelas 18 estabelecemos que se jantaria por volta das 22. O outlete de Modivas era onde eu deveria encontrar-me com mais três colegas do sul por volta das 19 horas, telefonei-lhes e constatei que também eles estavam atrasados, marcou-se então encontro para o café da D. Eduarda. Vinha eu já na Maia, quando toca o meu telemóvel, o número era o da D. Eduarda, atendi…Do outro lado escutava-se “tou, tou”, muito alto, e muito ruído de fundo, vozes a discutir aos berros, sobressaía a voz de mestre Joaquim que tem um vozeirão, mas ouviam-se muitos palavrões, e foi necessário gritar eu também… Ó D. Eduarda, D. Eduarda, mande calar aí o pessoal senão nem a senhora me ouve nem eu a entendo…Com um ríspido e sonoro “calai-vos caralho”, a D. Eduarda calou toda a gente, e falando comigo com voz de quem estava extremamente nervosa (nervosa é o estado normal dela), “ó senhor José, apanhamos os filhos da puta, andavam a rondar a sua porta, já estão aqui amarfanhados, já chamei a guarda”. Fiquei em pânico, só podiam ser os meus colegas… Pedi à D. Eduarda para não lhes tocarem, desliguei, acelerei, e liguei para o Rocha, um dos tais que ficara de ir ter ao café. Lá estava a confusão, mal atendeu, que barulheira, pedi-lhe que mantivesse a calma que estava a chegar, e cheguei passados 6 ou 7 minutos… Mal entrei no café, mestre Joaquim virou-se para mim e gritou “são aqueles?”, ao que respondi afirmativamente, agarrou-se logo às golas do Guimarães e ia já de cabeça feita para uma cabeçada, meti o braço a meio e consegui impedir que o meu colega fosse parar ao hospital. Ó mestre, são estes que vêm jantar comigo. Também tive de entrar na berraria, e depois de uns calma, caralho, foda-se, tudo em altos berros, as coisas acalmaram e pude dizer que tanto os que eles tinham agarrado à minha porta como os que tinham acabado de chegar comigo, eram os colegas que ficaram de lá jantar, jantar que estava encomendado. Virei-me para a D. Eduarda e em tom mais ou menos duro perguntei-lhe se não tinha desconfiado que seriam os meus colegas. Levei logo um insulto, mandou-me para esta banda e aquela, e disse com uma certa razão que ficáramos de ir lá jantar, não a minha casa, e como sabiam que andavam a ameaçar-me, julgaram tratar-se de alguém para me fazer mal. Prontos, lá foram mais uns “aéreos” para vinho, cafés, bagaços, e tudo acabou com uma jantarada animada. Já bem bebido, o mestre Carlos só dizia “ó senhor José, se vossemecê não chega tão lesto aquele ali” apontando para o Rocha “já estava com o destino traçado, ia enfardar e depois… banho”. Já tínhamos acabado de jantar, estava tudo na conversa, aos berros como sempre, a D. Eduarda a perguntar-me “môr, queres gelado, queijo com marmelada, que queres?”, quando da porta da entrada se ouviam sirenes… Fez-se silêncio, alguém disse “é fogo ou foi grande acidente”, e ao fundo da praceta quase a despistar-se com os semáforos ligados e o tinóni em altos berros aparece um jipe da GNR, e mais outro, e um carro de comando…Já ninguém se lembrava deles, tinham sido chamados pelas 18 horas era quase meia-noite. “Aqui é que chamaram a guarda?” perguntou o ordenança, “foi, mas já foi há 15 dias” respondeu mestre Joaquim. Conclusão, o teatro ia recomeçar. Expliquei tudo ao sargento, mandaram-se vir mais uns copos, e tudo acabou em bem. Era já uma hora da manha quando as tropas (GNR) retiraram, o último deles a sair foi o sargento que virando-se para a D. Eduarda disse “toca a fechar que já passa da meia-noite”, de imediato “vá mandar em sua casa, vá pró caralho" respondeu-lhe a D. Eduarda. São neste momento 3:15, cheguei a casa há um quarto de hora, já está o pessoal todo a descansar, 2 tiveram de ficar numa das casas da senhora do café, e eu vou também ver se durmo.
DAQUI A DIAS BOTO MAIS, TÁ BEM?

Beijinhos para ti, Sarah

17 Abr 2018
Perfil
Iniciado

Registado: 29 Dez 2017
Mensagens: 49
Negativos
1



TD's nos últs 90 dias: 0 - Voyeur
Mensagem Re: Expressões idiomáticas portuguesas
Aí vai mais uma leva:
Alheira com bigodes
Andar a coçar os tomates
Nunca mais é sábado
Andar a dá-lo
Bom demais para deixar para o bispo!
Aí vai aço!
Mal ajambrado
Ir de gola
Estar amarelo dos peidos
Amassar os colarinhos
Já chegámos à Madeira?
Tempo de arroz de quinze
Andar a cagar e a tossir
Arrear o calhau
Ó Jagodes, vê lá se te fodes!
Andar à nora
Pernas de alicate
Andar ao milho
Secar-se-lhe o céu da boca
Queimar os fusíveis
Andar de cu tremido
Andar de rastos
Andar na manguelice
Andor
Apanhar uma naça
Apertar-lhe os calos
Só tem letra
Armado em Chico-esperto
Piça de folheta
Arrear a giga
Arrotar postas de pescada
Andar de beiça caída
Aguentar os cavalos
Andar aos caídos
Ir com os pés para a frente
Já estás a cagar em leque
Para mim vens de carrinho
A quem não sabe foder até os pentelhos atrapalham
Pôr a escrita em dia
Esticar o pernil
Andar à mama
Armar aos cucos
O Benfica joga em casa

Até à próxima!

19 Abr 2018
Perfil
Iniciado

Registado: 29 Dez 2017
Mensagens: 49
Negativos
1



TD's nos últs 90 dias: 0 - Voyeur
Mensagem Re: Expressões idiomáticas portuguesas
Mais uma leva:
Tacha arreganhada
Ficar descolhoado
Caíram-me os tomates aos pés
Porta do cavalo
Cara de cu
Isto é um caralho feito vac*
Passar o corredor a pano
Vai no Batalha
Pedaço de mau caminho
São mais do que as mães
A mentira tem perna curta
Mijar fora do testo ou cagar fora do penico
Pintar à pistola
Ri-te, ri-te, quando souberes que é para o cu até choras
Ficar em conamaim street
Foder o seixo
Passar-se dos carretos
Dar cabo da moca
Partir a moca
Paleio de puta
Ir de vento em popa
Andar de peito feito
Por causa das moscas (à cause des mouches)
Bater baixo a bolinha ou bater a bolinha à flor da relva
Bota para a blusa
Pagar aos soluços ou pagar aos bochechos

27 Abr 2018
Perfil
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 66 mensagens ]  Ir para página Anterior  1, 2, 3, 4, 5


Quem está ligado:

Utilizadores a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 17 visitantes


Criar Tópicos: Proibído
Responder Tópicos: Proibído
Editar Mensagens: Proibído
Apagar Mensagens: Proibído
Enviar anexos: Proibído

Ir para:  

 
 

Powered by phpBB © phpBB Group.
Designed by Vjacheslav Trushkin for Free Forums/DivisionCore.
Traduzido por phpBB Portugal